segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Abortar ou não abortar, eis a questão...

E mais uma vez o assunto "aborto" entrou em discussão. Hoje, segunda-feira, o presidente do nosso país (e que coragem a dele!) colocou o tema na mesa e defendeu que a dicussão sobre o direito de se abortar é uma questão de saúde pública.
Nada mais justo, já que em se tratando de abortos e dos danos que eles causam de saúde, inclusive danos morais, quando não se causa a morte das mulheres - parece ser inexistente no nosso país!
Ora, esse comportamento é muito pélvis!!!!!!!! Todos nós sabemos que milhões de mulheres morrem por ano fazendo abortos clandestinos, cheios de risco à saúde. Claro que mulheres pobres, né? Já que as madames "não abortam, são sempre moralmente corretas e religiosamente perfeitas". Defender a discussão desse assunto é mais do que necessário e, problemas à parte, Lula está certo (e um um tanto quanto atrasado)em defender essa causa. Afinal de contas, quem sofre, pra variar, são as pessoas que estão na base da pirâmide. E defender o direito ao aborto, não é defender a morte de crianças inocentes e indefesas, é defender um problema sério de saúde pública.

2 comentários:

Nathália Bottino disse...

Concordo com vc, e acho que a grande questão não é discutir se é correto ou não o fato de uma mulher abortar, até porque essa é uma questão muito mais religiosa do que qualquer outra coisa, mas sim firmar a responsabilidade que o Governo tem de preservar a vida de uma mulher que praticaria o aborto sendo ele discriminalizado ou não!

Gabriel Salgado - Musta disse...

A discussão tem que existir sim!! Incrível como o não discutir o aborto é, para mim, além de uma barreira tosca promovida por alguns religiosos restritos como também uma forma de não se ter muito trabalho.

Há de se convir que a discussão sobre o aborto traz a tona, mesmo que não seja em um primeiro momento, a discussão sobre a saúde pública que é um problema sério há um bom tempo.