quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Super-Obama?


Sim o Obama ganhou! Entre os dois candidatos, o democrata era o, de fato, valorizável. Não entendo, contudo, o que é que fizeram com a imagem desse novo presidente. Uma vitória? Sim... um negro na presidência da maior (ainda?) potência mundial. Um momento em que todos os americanos buscam o salvador e apostaram todas as fichas no que os noticiários estão chamando de “mudança”, “evolução”, “revolução”. Calma gente, calma.

Os democratas já iniciaram a pré-campanha com o intuito de revolucionar a presidência: uma mulher ou um negro. A disputa interna (e reintegro o que meu amigo Rôney concluiu em seu artigo em hajapaciencia4.blogspot.com: a vitória) foi a disputa pelo futuro presidente, ali, naquele partido.

Obama ganhou da sra Clinton. Obama ganhou de McCain e ganhou de Bush e também ganhou de muito preconceito americano, muito racismo. Mas essa conquista merece o espaço que está tendo? Um Jornal Nacional dedicado a Obama e a sua presidência. Um EMA que menciona Obama como a aprovação americana diante do mundo. A melhora da imagem do cidadão americano, o fim das guerras e invasões, o fim da imposição e da posição pretensiosa de império americano sobre as nações. O império que domina e que controla, ou pelo menos tenta.

Será mesmo o fim de tudo isso? Obama adquiriu imagem, status, fama. O salvador. Mas o histórico presidencial de todo o mundo não demonstra que houve tantos salvadores e revolucionários. Muitos obtiveram imagem, mas pouco agiram. Um exemplo próximo: a minha, e de muitos, grande decepção: Lula. Lula, o pai dos pobres. Não tiro o valor de suas ações, mas faltou muito do que prometeu. O povo brasileiro tinha esperanças assim como o povo americano apóia hoje Obama. E como estará esse governo daqui a quatro anos?

Cautela e menos euforia são meus pedidos de hoje.

2 comentários:

Nathália Bottino disse...

Gringuélvis!
Gostei do seu post! Todo mundo fica vangloriando a vitória do Obama, mas poucos lembram de se perguntar se isso realmente vai surtir o efeito esperado!
Como vc mesma disse, o resultado é, realmente, um grande motivo para se comemorar, mas na minha opinião os EUA não vão deixar pra trás tudo o que seu passado de imposições e de atos imperialistas lhes trouxe por causa da mudança de um presidente.
Beijãooo!!

Giovana disse...

Segundo o prof. Max, aqui da Unesp: "esperánça. Nôs, no Bracil, chá estámos calechados de esperánça."

(ele tem sotaque tcholo.)